0

Fiesta Online Private Servers

Indigenous candidates' wins in Congress give hope for change. Download for free on all your devices - Computer, Smartphone, or Tablet - Wallpaper Abyss. Game Guide Characters; Game Modes; Pets; Game Systems. Brasil Eudemons Online.

Cracked world of Warcraft top 100 - Private servers, free servers

Details MysticalMu / Season 6 Episode 3 / Medium - 150x / High - 1000x / Low - 50x / Referral System / Vote System / Grand Reset System / Reset Bonuses / Interesting Events / Stable Online / Castle Siega Work / Configured Events, Spots, Zen Drop / Big Community / Join Now, New Good, Stable MuOnline. Watch anytime, anywhere. Stay on this page to finish adding it or navigate away? Grand Fantasia is a Free to Download and Free to Play Online 3D anime themed MMORPG where players go on journeys with their Sprite companion battling the forces of darkness.

1
  • SuprBay: The PirateBay Forum
  • Chase Customer Service: We can help you!
  • Grand Chase Madness Season 5
  • Gun Thrown at Clarendon Hills Cops During Chase: Police
  • Police Simulator: Patrol Duty on Steam
  • Elsword – Free to Play Anime Action MMORPG
  • Grand chase servers: Grandchase
  • Crunchyroll - Grand Chase - Overview, Reviews, Cast, and
  • Xbox Live Games / Game Codes
  • Cubase: Your guide to music production
  • 488 Grand Theft Auto V HD Wallpapers
  • Grand Chase Dimensional Chaser working hack
  • Grand Chase top 100 - Private servers, free servers
  • Elitepvpers - play less, get more
  • Where can i find the Brazil download for Grand Chase
  • FULL GrandChase server. - RaGEZONE - MMO development community
2

(300 MB) GTA 4 Download For PC Highly Compressed 100% Working

Promote your World of Warcraft private server for free to get more players. On Blogger since February 2020. 100 keys big sean rick ross albums visit here. Best of all, it's free.

City Car Driving - Car Driving Simulator, PC Game

Character wise, Grand Chase has 20 different characters while Elsword has 9 currently(10 in the Korean server very soon, though that one is a Duo character). Razor1911 dir keygen torrent. Arizona prosecutors won't file charges against Tucson police officers in the April death of man in custody. All you need to do first is get the hack files archive by clicking on a download server below.

3

Hack rockstar Games - Grand Theft Auto V

Main developer quit for certain reasons, and the playerbase is small and becomes active during certain times of the day. Microsoft office 2020 toolkit ez-activator v2.2.3 full. We love to create unique, successfull templates for your websites countdown Timer Expired. Elves from Eryuell Island are famous for their combat skills, but are naturally pacifistic and try to avoid becoming involved in human conflicts.

Error 0x3?? ? how to fix: : Grand Chase General Discussions

Sylenth1 Full version is one that bounces control and stretches a respectable presentation on all sounds and music. Mari - La Geas (Render Large) GCAlternativeRender 0 0 Lin - Grand Chase GCAlternativeRender 3 0 Recolor Amy Silver-Foox 2 0 Recolor Amy Silver-Foox 2 1 Recolor Lin nas cores do Lupus Silver-Foox 9 2 Lupus nas cores da Lin Silver-Foox 12 0 LupusxLin Recolor Silver-Foox 12 1 Grand-Chase-Mari zps14723041 VegetaGirl0907 4 0 Grand-Chase zps47d09a51 VegetaGirl0907 3 0 Lin/Rin Render - Edicao De. Or, you can embark upon a larger-than-life, raid style, quest driven battle system against big, bad boss monsters. Internet home for Bungie, the developer of Destiny, Halo, Myth, Oni, and Marathon, and the only place with official Bungie info straight from the developers.

4
How to fix "This Application cannot run under a Virtual
1 Download APKPure latest 3.17.14 Android APK 91%
2 Torrentz2 Search Engine 69%
3 Steam Community: : Wallpaper Engine 24%
4 SACNR Monitor - Server List - Free SA: MP server lists 49%
5 Pakistan plane crash: Jet carrying 107 people crashes into 57%
6 CD-ROM Software Collection: Free Software: Free Download 33%
7 Ragnarok Online top 100 - Private servers, Guides, Guilds 46%

Grand Chase Kakao [Trailer Oficial] - video dailymotion

If your download does not begin, please click here to retry. Hack grand chase brasil. Photo light pro full version with crack https://okalinka.ru/forum/?download=8422. Crack De Reve (10-7) at Auteuil 2m 5f sft in Nov.

5

Key steam Community: : Guide: : How to fix Grand Theft Auto

Grand Theft Minecart – This is our oldest gamemode - hop into the city of MineSantos, loot chests full of awesome gear, and kill anyone who stands in your way. Rocket League is definitely a game for you if you enjoyed Supersonic Acrobatic Rocked Powered Battle Cars. This one is solved for me now. Tenorshare offers data recovery software, iOS/Windows system repair tool, password unlocker for iPhone and Android users to recover lost data, transfer data, unlock forgotten password, etc.

Grand Theft Auto: San Andreas - Rockstar Games

Dark Souls, Dark Souls II and Dark Souls III are a series of fantasy action-RPG games developed by From Software and published by Namco Bandai Games. Annabeth is the architect of Olympus and the head counselor of Athena's cabin. Programme print key 2020. Most of them didn't even come close, mainly due to their inability to ride a mechanical bull.

6

Serial key thaipost Blog – THT Blog

Gameclub ecoin hack 2020. THE BIG QUESTION: HOW TO HACK Grand Chase? PC. Developed as a centralized racing and competition service, iRacing organizes, hosts and officiates online racing on virtual tracks all around the world. Wallpaper Engine - Wallpaper Engine enables you to use live wallpapers on your Windows desktop.

Download optimized Games for the Best Performance

We also have programming tutorials, graphic design tutorials, gaming discussions and offer hardware and software support. PC Gamer is your source for exclusive reviews, demos, updates and news on all your favorite PC gaming franchises. Mad Truck Challenge Special is a racing game where you try to destroy and overtake your opponents with your monster truck. Minimum Recommended; Operational System: Windows 7 Service Pack 1: Windows 8 or superior: CPU: Intel/AMD Dual Core 2GHz: Intel Core i3/AMD FX 4100 or equivalent.

7

Error 0x3 (patch download unavailable): : Grand Chase

Luis Alfonso Mendoza GCRealCook 1 2 Rin get maid cosplay GCRealCook 0 0 Rin and Feathers GCRealCook 2 0 Grand Chase Rin crossover: Caldina CobaltDoll 5 4. Grand Theft Auto V HD Wallpapers and Background Images. See more triangle-down; Pages liked by this Page. Reviving this epic game since KOG closed then.

Seventh Heaven Vst Crack

Guild Wars 2. Ragnarok Priston. Raise your driving skills! Grand Chase, the mobile game, is an RPG side-scrolling game where players fight enemies and explore maps with their very own team. Versiune: Season 3 Episode 1 / Exp: 500xp / Drop: 65 / Level reset: 400 / Points Level: 5/6 Bless bug: On / Market System: On / Max stats: 32767 / Ancient + Excellent FO / Exchange online hours for credits / Free Credits / WebShop / Grand reset system / Castle Siege On. 1501 21: Valtyr l Old Memories l Cap 80 l EU/CH l Low Rates l Old School l.

8

[Table] IAmA: I am film director Timo Vuorensola, made a film about Moon Nazis called IRON SKY, now working on new stuff - Ask Me Anything.

Verified? (This bot cannot verify AMAs just yet)
Date: 2013-05-24
Link to submission (Has self-text)
Link to my post
Questions Answers
Did you get feedback from real Nazis? Yeah, I did. I did get death threats from some neo nazis, but the funniest part was when the Sarah Palin aficionados found out about Iron Sky and that it might be having fun in the expense of their deliriously funny not-so-soon-to-be-president, they went ballistic. Not only did I get death threats, but they promised to bomb down whole Finland (if they would ever find it on the map..)
Cheers from Brasil! The first trailers had a darker mood but the final movie was more comedy oriented. Was it done on purpose to easy the subject? What is in store for future prequels/sequels? There's few reasons. First, when we did the first teaser, we had absolutely no idea what the script could be. We just thought that Moon Nazis would make a fun movie, and here's a bunch of things we'd loved to see in the film (motorcycles on Moon, Swastika-shaped fortress etc.), so we slammed a promo together based on that info.
When we actually started to write the story we found ourselves having so much fun with all the aspects of the film that it would've been a waste of time to do a film too seriously, so the tone was turned into two directions we didn't predict in the beginning: lighter on the surface, but much more politically satirical and biting on the deep level. And I'm happy about that, making a film about Moon Nazis and being too serious about it would be a bit too much torta-på-torta as our dear neighbours in Sweden might say.
If there was one person that inspired you the most who would it be? Also if you had to make a movie either about ketchup or mustard which one would you pick? I'd say David Lynch; his approach to filmmaking has always been less completely strained with the need to tell a clear story, and more about taking the joy out of the medium of filmmaking.
I'd go with mustard. Stick it in wounds and people do anything for you.
What inspired you to choose Laibach for the Iron Sky's soundtrack? (Great pick, by the way!) Thanks, was a big dream for me since the first meeting of minds we had back in some sauna in Finland. We sort of defined the Iron Sky world there - without a trace of the script - saying "whatever it is going to be, it has to have music by Laibach and Führer-role by Udo Kier". That sort of puts it in the certain world already.
It worked beautifully. Such a perfect match for the film, especially Laibachs America playing at the end. Yeah, was awesome collaboration. The folk of Laibach are just amazing to work with, best part of the whole process to be honest.
When my son interviewed you at the Director's cut viewing in Germany you said it was a race to the last minute to get the film out on time. What setbacks did you face during the filming? First, we had enormous trouble getting the money together. We had to do amazing tricks to get what we needed (one of them being crowdfunding, which luckily worked). Then, with production, we went over budget a lot, mostly because of ridiculously bad weather - snowstorms in Frankfurt when it wasn't supposed to snow, worst floods in Australia since 50's or something like that - and we were never able to recover from that. And then, well, with the distribution we had some bad luck with some distributors, namely one specific which I won't bother mentioning, and we lost a lot of money there.
Thanks! I suppose that Star Wreck means a lot to you, then? (And to the whole team, it was clearly something you did for fun (nice rendering farm, heh!)) Well, it's how we all started, something without what we'd be nowhere.
What made you decide to use the "Hitler reacts to X" style chewing out that Vivian Wagner (played by Peta Sergeant) gives to her direct subordinates? It sparked me one day that that would be an amazing way to introduce the character. It wasn't that big thing during that time, so I had to explain it over and over again to everyone, the actor, the writer, the producers, the DOP and they still didn't understand what I was doing. Not until the premiere when 2000 people in the audience laughed out at that gag, they realized I had something in mind for that bit.
Is it possible to tell us something secret about the sequel? Can't wait for it to hit the cinema. The enemy is closer than you think.
Ocean Nazis. Called it. That's another story.
Can it be farther? Communists from Mars... gives new meaning to red planet. Maybe!
Would you rather fight 1 horse sized duck or 100 duck sized horses? Thanks. Having been a long-time Redditor I've had a chance to think about this for few years now, and I would go for 100 duck-sized horses.
What are your feelings to the positive/negative reactions to Iron Sky? On positive reviews, I'm of course flattered and happy, but negative reviews... It really differs. Usually you read a review with a negative tone and realize there'd be nothing you could've done better to make this person like the film more, and those I don't give two shits. But sometimes there are reviewers who slap you with something and it takes few minutes to recover from it, especially in the beginning when the film was launched it was a bit hard to get over, being completely exhausted from the production and then having to deal with that shit, but I guess Laibach's guy reminded me of how badly some of their later-huge-classic albums were treated when they were released and it was a good reminder that sometimes some things might take a while to get the acceptance.
If you're ever in Northern Ireland, I'll buy you a Guinness! We also have great tax incentives for films to come and shoot in our professional studio spaces, if you're ever on the lookout for locations! But in short, I don't really care that much about the reviews, all I wish they are well written and thought over and that the reviewer has done his or hers' job as thoroughly as I've done the film, and then - well, they are entitled to whatever opinion and I'm proud they take their time off and share it based on my film.
Hi Timo, on the indiegogo page for the new Iron Sky movie you state that you want to "make and distribute the film exactly the way we believe it needs to be made". Has that something to do with the way you have been treated by distributors like Revolver and do you aim to be able to do things like sell the Blu-Ray outside of Finland? This has a lot to do with that. Iron Sky was born and built with a very close relationship with Internet, so a lot of the things happened when the film came out for the first time. The problem was that it wasn't coming out at the same time all around the world, when people would've wanted it the most. I am aware that a day-and-date release is out of hands of mere mortals, but our intention is to do something like that with Iron Sky II or die trying.
If you were given a blockbuster, major studio budget for Iron Sky - Would you have changed any part of the film? If so what? Storywise, I probably would've had to change the main character from a female nazi to male American, and would've had to tune down the political satire of the film. We, on the other hand, would possibly had money to do some good Moon Nazis on streets of New York fight scenes, you now, some city warfare (not just spaceships attacking distant city). But all in all, I think it would've been worse and more boring film that way.
1) What's your favorite "underrated" movie, a hidden gem that that most people might not be familiar with? 2) What's the biggest lesson you learned from making Star Wreck or Iron Sky? A trick you picked up, or a mistake you'll try your hardest to avoid in the future? 3) On a scale of 9.5-10, how awesome is the writer of Jeremiah Harm? 1) Hedwig and the Angry Inch - my favorite movie of all time, yet few people know about it. Well, at least not that many. 2) From Star Wreck it probably would be storyboarding, importance of good pre-planning and test screeninigs. From Iron Sky it's definitely the respect on all fields of filmmaking - no part of the machine is more or less important than your role. 3) Well, let alone the writer of Jeremiah Harm. He might be more important than anyone!
Did you have a lot of publicity because of illegal downloads of the movie? Or do you think the movie would have been this successful without the likes of pirate bay? I don't think it's possible to be successful without being successful on Pirate Bay.
Hey Timo, I loved both your films and I'm eagerly awaiting the next ones, but I have just one minor niggle about Iron Sky: it's set in 2018 and it's frequently mentioned in the film that it's an election year, meaning the previous elections must have taken place in 2014, which, as we know, is 2 years early. Did you ever actually work out a reason/backstory on why there was an election in 2014 (unexpected resignation or death of the previous president or whatever), or did you just come up with the year by chance and only later realise it didn't make sense? :) Yeah, there is a backstory. Current president re-instated an old election law which hasn't been in use since 1800's or even 1700's (can't remember it right now, I'm sure somebody else does, but it does exist) which states that in case president and vice president die simultaneously, a re-election must be held. So, it says that for some reason current US president revoked that paragraph back into action, then something happened, US president and vice president got killed by the end of this year / early 2014, so re-election was held, She got chosen, and now it's 2018 and her first 4-year-term is almost over.
How many refrences to other movies, games, films (Such as Doctor Who, Halo, Star Wars, etc.) are in Iron Sky? It's all about references; i must say I don't always even remember which one is a reference and which one is some strange thought popped up somewhere during the production. There's definitely direct references to Dr. Who, Star Wars, Dr. Strangelove, Starship Troopers, The Great Dictator, Downfall, Viivi and Wagner (Finnish comic book).
of let me say I absolutely loved Iron Sky (Was at the Dutch premiere @ Imagine). One of the things how did the fiasco with Revolver distribution go? Secondly, will Star Wreck be released in HD some time in the future? To be honest, lawyers will get angry at me if I talk too much about Revolver case. Well, if anything, Revolver went bankruptcy (at least that's how I understood) and we got the rights back. We lost shitload of money but at least we can give a new try to it in UK.
I can't wait for the sequel. We shot Star Wreck on a DV, so it would need to be a HD blowup (rendering wouldn't be a problem), so I'm really hoping that it will happen one day. We've had talks about it, yes.
1) What video games do you enjoy playing? 2) How did you come up with the name "LeonBlank"? 1) Now I re-play Skyrim, but usually have one similar first-person adventure in the works (just finished Bioshock Infinity). 2) It's one of David Bowie's characters on his album 1. Outside, which I consider being one of the best, if not the best, album ever recorded by a human being.
Jouko Ahola portrayed the character of Jeremiah Harm in the concept trailer. Obviously you are going to cast someone bigger to the final movie, but will you have a role for Jouko in the final movie? Would love to see him play a brutal intergalactic bad guy. I believe the budget of Jeremiah Harm was reported to be in the $20M range, are the producers looking to cast one really big A-lister to the lead who would be able to pre-sell the movie on his own, or are they looking for an ensemble cast, with several big name actors? Do you have any favorites you would like to see cast in the lead? That's my plan! I don't think I've ever worked with anyone so humble and intense than with Jouko Ahola, and I definitely want to cast him for a nice role in the film, although main role it might not be. Yeah, we are looking to cast a big A-lister to pre-sell. It all boils down to who plays Jeremiah, everything else will fall into its' place after that.
How do you really feel about people screening your movies without asking for permission first? OSU Scandinavian Club secretary. I feel great! And hope they do, too! And will feel even greater after they've done it and then run to our store or to our crowdfunding campaign and give us all their moneys!
What's the best way to access the film in the UK? Should be available on stores now, since I heard... Well, better not go into rumours. But you should find it in stores at the moment everywhere. Now, if you don't mind waiting a bit we're working to get a proper release in UK for the director's cut later this year.
Hi Timo, You emailed fans to gain funding in the early stages of Iron Sky. Taking part would have been fun in itself, contributing to making the movie happen BUT...what % return did investors get on the movie ? (In other words...how much should I regret passing up the opportunity :p ) Thanks. Since film money moves damn slow, it still remains to be seen what the investors will get eventually, we unfortunately won't know until the end of the year after all the deals have been realized.
Do you think the Illuminati is real? I can't talk about that right now. Please PM me, let's talk more.
The Jeremiah Harm trailer reminded of Duke Nukem. Would you consider doing a Duke Nukem movie? I wouldn't say no, if the script was good. I think there'd be better games made into amazing movies, maybe Duke is in the end a bit one-dimensional to carry a film the way he carries a game, but then again, a good script.. Why not.
Out of all games out there I'd loved to do a film about Call of Cthulhu: Dark Corners of the Earth. And out of all type of games, I'd loved to do a film or even a TV-series based on Paranoia the roleplaying game.
I am extremely excited for Jeremiah Harm. I've been watching and waiting for more info from it ever since the promo first came out. Thanks, me too. The script is extremely good and I'm very excited to get shooting the film. It's going to be really fun, in a proper scifi way.
Is there any news of the target release date for Jeremiah Harm? It looks super interesting. Was there anything significant cut out of Iron Sky that you wish you could have kept in? (Ja hei Timo! Olin energialla töissä 3d grunttina Iron Skyn aikaan. Onnea vaan uusien projektien kans.) Harm is now well on its' way, we are casting at the moment, but no release date set yet. From Iron Sky, I would've loved to have a bit more hands-on-combat, and there was a very nice car chase sequence we had to lose because of budget.
Die now, or live forever? Now.
Dear Timo, i just recently found out that you are conducting - more or less as a director of the story - an impromtu musical collaboration called VIIHTEEN UUSI AALTO (The Advanced Entertainment Movement???). What are your goals on that in particular and does this have anything to do with your duties in film industry? My intention is to become god of sound.
What was the hands-down funniest situation with Iron Sky (during production or afterwards)? There was a lot of great fun moments. Working with the grand old masters Udo Kier and Thilo Prückner were by far the greatest times. Tilo was so deep in his role as Dr. Richter, running around the set, answering to "phonecalls from Führer", and speaks practically no English at all. And Udo's stories were amazing. It's hard to say one specifically funniest situation other than just these two old gentleman fooling around in set wearing nazi uniforms, singing out of tune all crazy tunes and just having a blast.
Hey Timo was wondering since Iron Sky has become a cult classic how have things changed for you since the movie? I'm busier, get more ladies wanting to have sex with me, go to more parties and travel all the time.
Hey Timo, My name is Thomas "Spaz" Hill II I'm the composer that contacted you for Iron Sky. Will your band be doing the music again, or will you hire a composer? Cheers Bro, -Spas. I do have a band (two, actually) ÄLYMYSTÖ: Link to www.alymysto.com and VIIHTEEN UUSI AALTO: Link to viihteenuusiaalto.bandcamp.com but neither of them have done music for my films. Maybe they are a bit too experimental and too noise. For Iron Sky sequel Laibach will do the music, for other productions, nothing is completely set yet. I do think first music and then picture always so it's a big big deal for me.
IPhone or Android? IPhone and Nokia at the moment. I use iPhone with US sim card in the states and Nokia for int'l calls. At home mostly iPhone.
Hi Timo! You had this character in Iron Sky that resembles Sarah Palin a lot. I know there's a group that is boycotting Netflix because of that, but have you received any personal "threats" or anything like that because of that character? Thanks for your awesome work, can't wait to see more of it! I did receive a lot of negative feedback from that, all the way up to threats, by people who felt I was making fun of Sarah Palin. Which wasn't true. I was making fun of the whole international politics scheme.
Congratulations on Iron Sky! Laibach was a great choice for the soundtrack. I have two questions really. 1. How do you go about choosing a composer for your films? And 2. As an aspiring composer, is there a possibility to send you a showreel of my work? I've been a big fan of Laibach ever since god knows when, and realized very early on that this is a perfect match for the film. You can send your reel to [email protected] (but be aware, it seems there's quite a lot of composers out there, I get reels every day sent to me and I'm very anal with my music picks, only working with very specifically defined artists).
Is Answerer 2 really you? No, answerer 1 is me. Have no idea who nr. 2 is or what's his/her's problem.
Would you be willing to do a sequel? By the way, loved the film! Hilarious work. We are doing a sequel right now. Link to www.indiegogo.com
Cheers from Germany! First I must say, that your movie Iron Sky is just epic!!! It inspired me a lot for my drawings. But some things wondered me a bit. Like how was it possible that Renates clothes were flying away as she met Washington? nevertheless it was a funny scene! And have you ever expected to get so much attention on this movie? what was your wish to be one day, as you were a child? Renate's clothes were torn off of her because of the escaping air pressure from the airlock.
To be honest, never expected anything like what we got with Iron Sky as attention, but I'm happy for it. It was a great start.
As a kid I think I wanted to be a policeman. Then I wanted to be many things. Never considered filmmaking until I was too deep in the business to turn back.
1) Are you a Scandinavia and the world fan? 2) Is her depiction of Finland accurate? I am and yes, it is.
I liked Iron Sky, I thought it had some funny bits in it. My question: how are you? I'm fine. My feet are a bit cold because outside is rather cold at the moment, and I'm wondering what to do here in Arkngthamz, but other than that, I'm fine. Thanks for asking. Well, to be honest, I'm a bit stressed out and have been a bit busy, you know, in a need of good rest I guess. You?
I just finished watching this on Netflix and loved it! My question is was the very ending of a metaphor about how we can get together for a common purpose but ultimately greed will destroy us all? Or I'm just overthinking it? Again great movie! I guess the big thing in the end is that we will kill ourselves with greed, but hope for mankind is never truly lost, it sparkles in the weirdest, most unpredictable places, shapes and forms. To be honest, I'm not as misogynistic as the ending would guess, I do believe that mankind will never destroy itself truly, that we will always maybe dance on the very edge of the knife but in the end we'll survive.
off lemme say this movie was amazing. Love cult films like this. You had a ton of references and inside jokes in the film, what was the biggest one you left out of the film? Not sure if we left anything major reference out deliberately at least, can't remember, because many of the ref were born quite fast and inserted quickly.
Hi Timo. When will you get into pre-production for the Jeremiah Harm movie? Are you considering hiring? I live in Estonia and I am looking for a job. www.giampietrobalia.com We are in early pre-production already, but will know a bit more once we lock the cast. We are looking to shoot in studios in Hungary so it might be a bit far off there, but you never know :)
Woah I had waited so long for ironsky to come out, did i miss it? does this mean i can go watch it now? awesome. Yeah, missed it by a year and a half. Depending on where you are located in, now you can catch it from Netflix or buy it as a DVD or BluRay, it ran its' theatrical course a long time ago.
Can you make Iron Sky 2 come out quicker in America please and when are you hoping for the release of it? Can't wait That's exactly the reason we're crowdfunding, not running after presale money.
Hi Timo, loved the movie. I've got two questions. First, I don't know if you can say anything at this stage, but any plans to visit the "Red" planet in the sequel? Secondly, a few of the people involved in Iron Sky went to the Supanova convention in Australia (can't remember if you were there, sorry). Any plans to do that for the new movie? Regarding Red Planet, can't reveal too much about the story yet. For Supanova, I remember that and definitely want to go back there, great convention.
Will there be any more Doctor Who easter eggs in your future films? Who knows!
Will you ever plan on making a comedy related to past world events? I think a Cold War parody would be funny. You read my mind. Yes, we are working on a prequel TV-series based on Iron Sky, which would answer to the question "why did the Americans land on the Moon in 1969 -- and why they never came back after 1973."
What do you think about the genuine conspiracy theories about Nazis setting up a secret base in the Antarctic/Dark Side of the Moon? I think it's a load of bullshit, but I do think Nazis did have some less-spoken-of experiments, and if there really happened something in Roswell, I'm inclined to link it with those experiments.
Greetings, Timo. when, if ever, do you envision Iron Sky seen on American cable TV? It's out on Netflix in US now, and it's been on some cable channels I think, but the distributor don't always inform us.
Did you work directly with the writers Johanna Sinisalo and Michael Kalesniko on this? Yes, with both. We started out with Johanna and when we went English, we worked more with Michael.
What would you doing if you were not directing films? Before, I was a telemarketeer. Probably something to do with marketing, I think.
IRON SKIES was one of the best movies I've watched in ages! Quick question about the sequel: It's about the communists in the center of the earth isn't it? I've always known they were under there. Waiting. "Iron Sky" to be exact :) And no, I won't tell anything on what it's about :D
Sorry about the spelling, I got excited. V_V. Yeah I do that often, too. Get excited.
Late in the game, but in case you're still reading: is it true that the president character was originally going to be based on Jena Bush as opposed to Palin? Yes.
SUOMI MAINITTU! TORILLA TAVATAAN!!! 6-1!
Hey Timo. Iron Sky was the best satire I have seen since young Frankenstein, and it sounds like you want to pick on N Korea for the sequel. Tell me you're going to make fun of Dennis Rodman too. please work him into it!!! Ooh, Dennis Rodman, what a great idea!
Honestly, I must say, although the little video plays a lot with North Korea, the idea is not all about NK, it goes much ... well. Deeper.
I said too much.
Time travel Nazis! In 1945 and the closing of the war, a select group of high-ranking nazis use a time machine to appear in 2015 :) Also on another note: My father rented Star Wreck instead of Star Trek once, you're worse than absolution film ;) But it was one of the funniest mistake ever. Nice :D
Greetings from... ehhh... also in Finland. Yeaah... i know..
Well. See ya... Yeah..
I absolutely loved Iron Sky. Also I had a girl over once and we watched it, and then made out. So thank you for that. Happy to spread love. Feel like king hippie.
My wife is a fan of yours; she says of Iron Sky: "It's a fucking amazing movie.. I wish it would get more exposure. I thought the satire was hilarious!" She asks if Vivian Wagner, the dominatrix advising Sarah Palin, was based on anyone in particular. Something out of my fantasies and nightmares simultaneously, I guess. No specific name to pinpoint. Originally it was actually two characters, Vivian Wagner and space ship captain Astro Willis, but we combined them and it became something rather lunatic.
My wife says, "It's too bad I'm married because I'm the real life version of his fantasy/nightmare, lol." :D No reply needed, I know these AMAs are time consuming. Thanks! Too bad indeed ;)
I just downloaded Iron Sky from piratebay. Do you hate me? No, I think you are awesome! Hope you like the film!
Last updated: 2013-05-29 11:02 UTC
This post was generated by a robot! Send all complaints to epsy.
submitted by tabledresser to tabled

Esfera de influência: como os libertários americanos estão reinventando a política latino-americana

Esfera de influência: como os libertários americanos estão reinventando a política latino-americana
by Lee Fang via The Intercept
URL: http://ift.tt/2uO9Icf
Para Alejandro Chafuen, a reunião desta primavera no Brick Hotel, em Buenos Aires, foi tanto uma volta para casa quanto uma volta olímpica. Chafuen, um esguio argentino-americano, passou a vida adulta se dedicando a combater os movimentos sociais e governos de esquerda das Américas do Sul e Central, substituindo-os por uma versão pró-empresariado do libertarianismo.
Ele lutou sozinho durante décadas, mas isso está mudando. Chafuen estava rodeado de amigos no Latin America Liberty Forum 2017. Essa reunião internacional de ativistas libertários foi patrocinada pela Atlas Economic Research Foundation, uma organização sem fins lucrativos conhecida como Atlas Network (Rede Atlas), que Chafuen dirige desde 1991. No Brick Hotel, ele festejou as vitórias recentes; seus anos de trabalho estavam começando a render frutos – graças às circunstâncias políticas e econômicas e à rede de ativistas que Chafuen se esforçou tanto para criar.
Nos últimos 10 anos, os governos de esquerda usaram “dinheiro para comprar votos, para redistribuir”, diz Chaufen, confortavelmente sentado no saguão do hotel. Mas a recente queda do preço das commodities, aliada a escândalos de corrupção, proporcionou uma oportunidade de ação para os grupos da Atlas Network. “Surgiu uma abertura – uma crise – e uma demanda por mudanças, e nós tínhamos pessoas treinadas para pressionar por certas políticas”, observa Chafuen, parafraseando o falecido Milton Friedman. “No nosso caso, preferimos soluções privadas aos problemas públicos”, acrescenta.
Chafuen cita diversos líderes ligados à Atlas que conseguiram ganhar notoriedade: ministros do governo conservador argentino, senadores bolivianos e líderes do Movimento Brasil Livre (MBL), que ajudaram a derrubar a presidente Dilma Rousseff – um exemplo vivo dos frutos do trabalho da rede Atlas, que Chafuen testemunhou em primeira mão.
“Estive nas manifestações no Brasil e pensei: ‘Nossa, aquele cara tinha uns 17 anos quando o conheci, e agora está ali no trio elétrico liderando o protesto. Incrível!’”, diz, empolgado. É a mesma animação de membros da Atlas quando o encontram em Buenos Aires; a tietagem é constante no saguão do hotel. Para muitos deles, Chafuen é uma mistura de mentor, patrocinador fiscal e verdadeiro símbolo da luta por um novo paradigma político em seus países.
O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, à esquerda, dentro de um carro em direção ao aeroporto, onde pegaria um voo para a Nicarágua nos arredores de San José. Domingo, 28 de junho de 2009.
Foto: Kent Gilbert/AP
Uma guinada à direita está em marcha na política latino-americana, destronando os governos socialistas que foram a marca do continente durante boa parte do século XXI – de Cristina Kirchner, na Argentina, ao defensor da reforma agrária e populista Manuel Zelaya, em Honduras –, que implementaram políticas a favor dos pobres, nacionalizaram empresas e desafiaram a hegemonia dos EUA no continente. Essa alteração pode parecer apenas parte de um reequilíbrio regional causado pela conjuntura econômica, porém a Atlas Network parece estar sempre presente, tentando influenciar o curso das mudanças políticas.
A história da Atlas Network e seu profundo impacto na ideologia e no poder político nunca foi contada na íntegra. Mas os registros de suas atividades em três continentes, bem como as entrevistas com líderes libertários na América Latina, revelam o alcance de sua influência. A rede libertária, que conseguiu alterar o poder político em diversos países, também é uma extensão tácita da política externa dos EUA – os _think tanks_associados à Atlas são discretamente financiados pelo Departamento de Estado e o National Endowment for Democracy (Fundação Nacional para a Democracia – NED), braço crucial do _soft power_norte-americano.
Embora análises recentes tenham revelado o papel de poderosos bilionários conservadores – como os irmãos Koch – no desenvolvimento de uma versão pró-empresariado do libertarianismo, a Atlas Network – que também é financiada pelas fundações Koch – tem usado métodos criados no mundo desenvolvido, reproduzindo-os em países em desenvolvimento. A rede é extensa, contando atualmente com parcerias com 450 _think tanks_em todo o mundo. A Atlas afirma ter gasto mais de US$ 5 milhões com seus parceiros apenas em 2016.
Ao longo dos anos, a Atlas e suas fundações caritativas associadas realizaram centenas de doações para _think tanks_conservadores e defensores do livre mercado na América Latina, inclusive a rede que apoiou o Movimento Brasil Livre (MBL) e organizações que participaram da ofensiva libertária na Argentina, como a Fundação Pensar, um _think tank_da Atlas que se incorporou ao partido criado por Mauricio Macri, um homem de negócios e atual presidente do país. Os líderes do MBL e o fundador da Fundação Eléutera – um _think tank_neoliberal extremamente influente no cenário pós-golpe hondurenho – receberam financiamento da Atlas e fazem parte da nova geração de atores políticos que já passaram pelos seus seminários de treinamento.
A Atlas Network conta com dezenas de _think tanks_na América Latina, inclusive grupos extremamente ativos no apoio às forças de oposição na Venezuela e ao candidato de centro-direita às eleições presidenciais chilenas, Sebastián Piñera.
Protesto a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff diante do Congresso Nacional, em Brasília, no dia 2 de dezembro de 2015.
Photo: Eraldo Peres/AP
Em nenhum outro lugar a estratégia da Atlas foi tão bem sintetizada quanto na recém-formada rede brasileira de _think tanks_de defesa do livre mercado. Os novos institutos trabalham juntos para fomentar o descontentamento com as políticas socialistas; alguns criam centros acadêmicos enquanto outros treinam ativistas e travam uma guerra constante contra as ideias de esquerda na mídia brasileira.
O esforço para direcionar a raiva da população contra a esquerda rendeu frutos para a direita brasileira no ano passado. Os jovens ativistas do MBL – muitos deles treinados em organização política nos EUA – lideraram um movimento de massa para canalizar a o descontentamento popular com um grande escândalo de corrupção para desestabilizar Dilma Rousseff, uma presidente de centro-esquerda. O escândalo, investigado por uma operação batizada de Lava-Jato, continua tendo desdobramentos, envolvendo líderes de todos os grandes partidos políticos brasileiros, inclusive à direita e centro-direita. Mas o MBL soube usar muito bem as redes sociais para direcionar a maior parte da revolta contra Dilma, exigindo o seu afastamento e o fim das políticas de bem-estar social implementadas pelo Partido dos Trabalhadores (PT).
A revolta – que foi comparada ao movimento Tea Party devido ao apoio tácito dos conglomerados industriais locais e a uma nova rede de atores midiáticos de extrema-direita e tendências conspiratórias – conseguiu interromper 13 anos de dominação do PT ao afastar Dilma do cargo por meio de um impeachment em 2016.
O cenário político do qual surgiu o MBL é uma novidade no Brasil. Havia no máximo três _think tanks_libertários em atividade no país dez anos atrás, segundo Hélio Beltrão, um ex-executivo de um fundo de investimentos de alto risco que agora dirige o Instituto Mises, uma organização sem fins lucrativos que recebeu o nome do filósofo libertário Ludwig von Mises. Ele diz que, com o apoio da Atlas, agora existem cerca de 30 institutos agindo e colaborando entre si no Brasil, como o Estudantes pela Liberdade e o MBL.
“É como um time de futebol; a defesa é a academia, e os políticos são os atacantes. E já marcamos alguns gols”, diz Beltrão, referindo-se ao impeachment de Dilma. O meio de campo seria “o pessoal da cultura”, aqueles que formam a opinião pública.
Beltrão explica que a rede de _think tanks_está pressionando pela privatização dos Correios, que ele descreve como “uma fruta pronta para ser colhida” e que pode conduzir a uma onda de reformas mais abrangentes em favor do livre mercado. Muitos partidos conservadores brasileiros acolheram os ativistas libertários quando estes demonstraram que eram capazes de mobilizar centenas de milhares de pessoas nos protestos contra Dilma, mas ainda não adotaram as teorias da “economia do lado da oferta”.
Fernando Schüler, acadêmico e colunista associado ao Instituto Millenium – outro _think tank_da Atlas no Brasil – tem uma outra abordagem. “O Brasil tem 17 mil sindicatos pagos com dinheiro público. Um dia de salário por ano vai para os sindicatos, que são completamente controlados pela esquerda”, diz. A única maneira de reverter a tendência socialista seria superá-la no jogo de manobras políticas. “Com a tecnologia, as pessoas poderiam participar diretamente, organizando – no WhatsApp, Facebook e YouTube – uma espécie de manifestação pública de baixo custo”, acrescenta, descrevendo a forma de mobilização de protestos dos libertários contra políticos de esquerda. Os organizadores das manifestações anti-Dilma produziram uma torrente diária de vídeos no YouTube para ridicularizar o governo do PT e criaram um placar interativo para incentivar os cidadãos a pressionarem seus deputados por votos de apoio ao impeachment.
Schüler notou que, embora o MBL e seu próprio _think tank_fossem apoiados por associações industriais locais, o sucesso do movimento se devia parcialmente à sua não identificação com partidos políticos tradicionais, em sua maioria vistos com maus olhos pela população. Ele argumenta que a única forma de reformar radicalmente a sociedade e reverter o apoio popular ao Estado de bem-estar social é travar uma guerra cultural permanente para confrontar os intelectuais e a mídia de esquerda.
Fernando Schüler.Foto:captura de tela do YouTubeUm dos fundadores do Instituto Millenium, o blogueiro Rodrigo Constantino, polariza a política brasileira com uma retórica ultrassectária. Constantino, que já foi chamado de “o Breitbart brasileiro” devido a suas teorias conspiratórias e seus comentários de teor radicalmente direitistas, é presidente do conselho deliberativo de outro _think tank_da Atlas – o Instituto Liberal. Ele enxerga uma tentativa velada de minar a democracia em cada movimento da esquerda brasileira, do uso da cor vermelha na logomarca da Copa do Mundo ao Bolsa Família, um programa de transferência de renda. Constantino é considerado o responsável pela popularização de uma narrativa segundo a qual os defensores do PT seriam uma “esquerda caviar”, ricos hipócritas que abraçam o socialismo para se sentirem moralmente superiores, mas que na realidade desprezam as classes trabalhadoras que afirmam representar. A “breitbartização” do discurso é apenas uma das muitas formas sutis pelas quais a Atlas Network tem influenciado o debate político.
“Temos um Estado muito paternalista. É incrível. Há muito controle estatal, e mudar isso é um desafio de longo prazo”, diz Schüler, acresentando que, apesar das vitórias recentes, os libertários ainda têm um longo caminho pela frente no Brasil. Ele gostaria de copiar o modelo de Margaret Thatcher, que se apoiava em uma rede de _think tanks_libertários para implementar reformas impopulares. “O sistema previdenciário é absurdo, e eu privatizaria toda a educação”, diz Schüler, pondo-se a recitar toda a litania de mudanças que faria na sociedade, do corte do financiamento a sindicatos ao fim do voto obrigatório.
Mas a única maneira de tornar tudo isso possível, segundo ele, seria a formação de uma rede politicamente engajada de organizações sem fins lucrativos para defender os objetivos libertários. Para Schüler, o modelo atual – uma constelação de _think tanks_em Washington sustentada por vultosas doações – seria o único caminho para o Brasil.
E é exatamente isso que a Atlas tem se esforçado para fazer. Ela oferece subvenções a novos _think tanks_e cursos sobre gestão política e relações públicas, patrocina eventos de _networking_no mundo todo e, nos últimos anos, tem estimulado libertários a tentar influenciar a opinião pública por meio das redes sociais e vídeos online.
Uma competição anual incentiva os membros da Atlas a produzir vídeos que viralizem no YouTube promovendo o _laissez-faire_e ridicularizando os defensores do Estado de bem-estar social. James O’Keefe, provocador famoso por alfinetar o Partido Democrata americano com vídeos gravados em segredo, foi convidado pela Atlas para ensinar seus métodos. No estado americano do Wisconsin, um grupo de produtores que publicava vídeos na internet para denegrir protestos de professores contra o ataque do governador Scott Walker aos sindicatos do setor público também compartilharam sua experiência nos cursos da Atlas.
Manifestantes queimam um boneco do presidente Hugo Chávez na Plaza Altamira, em protesto contra o governo.
Foto: Lonely Planet Images/Getty Images
Em uma de suas últimas realizações, a Atlas influenciou uma das crises políticas e humanitárias mais graves da América Latina: a venezuelana. Documentos obtidos graças ao “Freedom of Information Act” (Lei da Livre Informação, em tradução livre) por simpatizantes do governo venezuelano – bem como certos telegramas do Departamento de Estado dos EUA vazados por Chelsea Manning – revelam uma complexo tentativa do governo americano de usar os _think tanks_da Atlas em uma campanha para desestabilizar o governo de Hugo Chávez. Em 1998, a CEDICE Libertad – principal organização afiliada à Atlas em Caracas, capital da Venezuela – já recebia apoio financeiro do Center for International Private Enterprise (Centro para a Empresa Privada Internacional – CIPE). Em uma carta de financiamento do NED, os recursos são descritos como uma ajuda para “a mudança de governo”. O diretor da CEDICE foi um dos signatários do controverso “Decreto Carmona” em apoio ao malsucedido golpe militar contra Chávez em 2002.
Um telegrama de 2006 descrevia a estratégia do embaixador americano, William Brownfield, de financiar organizações politicamente engajadas na Venezuela: “1) Fortalecer instituições democráticas; 2) penetrar na base política de Chávez; 3) dividir o chavismo; 4) proteger negócios vitais para os EUA, e 5) isolar Chávez internacionalmente.”
Na atual crise venezuelana, a CEDICE tem promovido a recente avalanche de protestos contra o presidente Nicolás Maduro, o acossado sucessor de Chávez. A CEDICE está intimamente ligada à figura da oposicionista María Corina Machado, uma das líderes das manifestações em massa contra o governo dos últimos meses. Machado já agradeceu publicamente à Atlas pelo seu trabalho. Em um vídeo enviado ao grupo em 2014, ela diz: “Obrigada à Atlas Network e a todos os que lutam pela liberdade.”
Em 2014, a líder opositora María Corina Machado agradeceu à Atlas pelo seu trabalho: “Obrigada à Atlas Network e a todos os que lutam pela liberdade.”No Latin America Liberty Forum, organizado pela Atlas Network em Buenos Aires, jovens líderes compartilham ideias sobre como derrotar o socialismo em todos os lugares, dos debates em _campi_universitários a mobilizações nacionais a favor de um impeachment.
Em uma das atividades do fórum, “empreendedores” políticos de Peru, República Dominicana e Honduras competem em um formato parecido com o programa Shark Tank, um _reality show_americano em que novas empresas tentam conquistar ricos e impiedosos investidores. Mas, em vez de buscar financiamento junto a um painel de capitalistas de risco, esses diretores de _think tanks_tentam vender suas ideias de marketing político para conquistar um prêmio de US$ 5 mil. Em outro encontro, debatem-se estratégias para atrair o apoio do setor industrial às reformas econômicas. Em outra sala, ativistas políticos discutem possíveis argumentos que os “amantes da liberdade” podem usar para combater o crescimento do populismo e “canalizar o sentimento de injustiça de muitos” para atingir os objetivos do livre mercado.
Um jovem líder da Cadal, um _think tank_de Buenos Aires, deu a ideia de classificar as províncias argentinas de acordo com o que chamou de “índice de liberdade econômica” – levando em conta a carga tributária e regulatória como critérios principais –, o que segundo ela geraria um estímulo para a pressão popular por reformas de livre mercado. Tal ideia é claramente baseada em estratégias similares aplicadas nos EUA, como o Índice de Liberdade Econômica da Heritage Foundation, que classifica os países de acordo com critérios como política tributária e barreiras regulatórias aos negócios.
Os _think tanks_são tradicionalmente vistos como institutos independentes que tentam desenvolver soluções não convencionais. Mas o modelo da Atlas se preocupa menos com a formulação de novas soluções e mais com o estabelecimento de organizações políticas disfarçadas de instituições acadêmicas, em um esforço para conquistar a adesão do público.
As ideias de livre mercado – redução de impostos sobre os mais ricos; enxugamento do setor público e privatizações; liberalização das regras de comércio e restrições aos sindicatos – sempre tiveram um problema de popularidade. Os defensores dessa corrente de pensamento perceberam que o eleitorado costuma ver essas ideias como uma maneira de favorecer as camadas mais ricas. E reposicionar o libertarianismo econômico como uma ideologia de interesse público exige complexas estratégias de persuasão em massa.
Mas o modelo da Atlas, que está se espalhando rapidamente pela América Latina, baseia-se em um método aperfeiçoado durante décadas de embates nos EUA e no Reino Unido, onde os libertários se esforçaram para conter o avanço do Estado de bem-estar social do pós-guerra.
Mapa das organizações da rede Atlas na América do Sul.
Fonte: The Intercept
Antony Fisher, empreendedor britânico e fundador da Atlas Network, é um pioneiro na venda do libertarianismo econômico à opinião pública. A estratégia era simples: nas palavras de um colega de Fisher, a missão era “encher o mundo de _think tanks_que defendam o livre mercado”.
A base das ideias de Fisher vêm de Friedrich Hayek, um dos pais da defesa do Estado mínimo. Em 1946, depois de ler um resumo do livro seminal de Hayek, O Caminho da Servidão, Fisher quis se encontrar com o economista austríaco em Londres. Segundo seu colega John Blundell, Fisher sugeriu que Hayek entrasse para a política. Mas Hayek se recusou, dizendo que uma abordagem de baixo para cima tinha mais chances de alterar a opinião pública e reformar a sociedade.
Enquanto isso, nos Estados Unidos, outro ideólogo do livre mercado, Leonard Read, chegava a conclusões parecidas depois de ter dirigido a Câmara de Comércio de Los Angeles, onde batera de frente com o sindicalismo. Para deter o crescimento do Estado de bem-estar social, seria necessária uma ação mais elaborada no sentido de influenciar o debate público sobre os destinos da sociedade, mas sem revelar a ligação de tal estratégia com os interesses do capital.
Fisher animou-se com uma visita à organização recém-fundada por Read, a Foundation for Economic Education (Fundação para a Educação Econômica – FEE), em Nova York, criada para patrocinar e promover as ideias liberais. Nesse encontro, o economista libertário F.A. Harper, que trabalhava na FEE à epoca, orientou Fisher sobre como abrir a sua própria organização sem fins lucrativos no Reino Unido.
Durante a viagem, Fisher e Harper foram à Cornell University para conhecer a última novidade da indústria animal: 15 mil galinhas armazenadas em uma única estrutura. Fisher decidiu levar o invento para o Reino Unido. Sua fábrica, a Buxted Chickens, logo prosperou e trouxe grande fortuna para Fisher. Uma parte dos lucros foi direcionada à realização de outro objetivo surgido durante a viagem a Nova York – em 1955, Fisher funda o Institute of Economic Affairs (Instituto de Assuntos Econômicos – IEA).
O IEA ajudou a popularizar os até então obscuros economistas ligados às ideias de Hayek. O instituto era um baluarte de oposição ao crescente Estado de bem-estar social britânico, colocando jornalistas em contato com acadêmicos defensores do livre mercado e disseminando críticas constantes sob a forma de artigos de opinião, entrevistas de rádio e conferências.
A maior parte do financiamento do IEA vinha de empresas privadas, como os gigantes do setor bancário e industrial Barclays e British Petroleum, que contribuíam anualmente. No livro Making Thatcher’s Britain(A Construção da Grã-Bretanha de Thatcher, em tradução livre), dos historiadores Ben Jackson e Robert Saunders, um magnata dos transportes afirma que, assim como as universidades forneciam munição para os sindicatos, o IEA era uma importante fonte de poder de fogo para os empresários.
Quando a desaceleração econômica e o aumento da inflação dos anos 1970 abalou os fundamentos da sociedade britânica, políticos conservadores começaram a se aproximar do IEA como fonte de uma visão alternativa. O instituto aproveitou a oportunidade e passou a oferecer plataformas para que os políticos pudessem levar os conceitos do livre mercado para a opinião pública. A Atlas Network afirma orgulhosamente que o IEA “estabeleceu as bases intelectuais do que viria a ser a revolução de Thatcher nos anos 1980”. A equipe do instituto escrevia discursos para Margaret Thatcher; fornecia material de campanha na forma de artigos sobre temas como sindicalismo e controle de preços; e rebatia as críticas à Dama de Ferro na mídia inglesa. Em uma carta a Fisher depois de vencer as eleições de 1979, Thatcher afirmou que o IEA havia criado, na opinião pública, “o ambiente propício para a nossa vitória”.
“Não há dúvidas de que tivemos um grande avanço na Grã-Bretanha. O IEA, fundado por Antony Fisher, fez toda a diferença”, disse Milton Friedman uma vez. “Ele possibilitou o governo de Margaret Thatcher – não a sua eleição como primeira-ministra, e sim as políticas postas em prática por ela. Da mesma forma, o desenvolvimento desse tipo de pensamento nos EUA possibilitou o a implementação das políticas de Ronald Reagan”, afirmou.
O IEA fechava um ciclo. Hayek havia criado um seleto grupo de economistas defensores do livre mercado chamado Sociedade Mont Pèlerin. Um de seus membros, Ed Feulner, ajudou o fundar o _think tank_conservador Heritage Foundation, em Washington, inspirando-se no trabalho de Fisher. Outro membro da Sociedade, Ed Crane, fundou o Cato Institute, o mais influente _think tank_libertário dos Estados Unidos.
_O filósofo e economista anglo-austríaco Friedrich Hayek com um grupo de alunos na London School of Economics, em 1948._Foto: Paul PoppePopperfoto/Getty Images
Em 1981, Fisher, que havia se mudado para San Francisco, começou a desenvolver a Atlas Economic Research Foundation por sugestão de Hayek. Fisher havia aproveitado o sucesso do IEA para conseguir doações de empresas para seu projeto de criação de uma rede regional de _think tanks_em Nova York, Canadá, Califórnia e Texas, entre outros. Mas o novo empreendimento de Fisher viria a ter uma dimensão global: uma organização sem fins lucrativos dedicada a levar sua missão adiante por meio da criação de postos avançados do libertarianismo em todos os países do mundo. “Quanto mais institutos existirem no mundo, mais oportunidade teremos para resolver problemas que precisam de uma solução urgente”, declarou.
Fisher começou a levantar fundos junto a empresas com a ajuda de cartas de recomendação de Hayek, Thatcher e Friedman, instando os potenciais doadores a ajudarem a reproduzir o sucesso do IEA através da Atlas. Hayek escreveu que o modelo do IEA “deveria ser usado para criar institutos similares em todo o mundo”. E acrescentou: “Se conseguíssemos financiar essa iniciativa conjunta, seria um dinheiro muito bem gasto.”
A proposta foi enviada para uma lista de executivos importantes, e o dinheiro logo começou a fluir dos cofres das empresas e dos grandes financiadores do Partido Republicano, como Richard Mellon Scaife. Empresas como a Pfizer, Procter & Gamble e Shell ajudaram a financiar a Atlas. Mas a contribuição delas teria que ser secreta para que o projeto pudesse funcionar, acreditava Fisher. “Para influenciar a opinião pública, é necessário evitar qualquer indício de interesses corporativos ou tentativa de doutrinação”, escreveu Fisher na descrição do projeto, acrescentando que o sucesso do IEA estava baseado na percepção pública do caráter acadêmico e imparcial do instituto.
A Atlas cresceu rapidamente. Em 1985, a rede contava com 27 instituições em 17 países, inclusive organizações sem fins lucrativos na Itália, México, Austrália e Peru.
E o _timing_não podia ser melhor: a expansão internacional da Atlas coincidiu com a política externa agressiva de Ronald Reagan contra governos de esquerda mundo afora.
Embora a Atlas declarasse publicamente que não recebia recursos públicos (Fisher caracterizava as ajudas internacionais como uma forma de “suborno” que distorcia as forças do mercado), há registros da tentativa silenciosa da rede de canalizar dinheiro público para sua lista cada vez maior de parceiros internacionais.
Em 1982, em uma carta da Agência de Comunicação Internacional dos EUA – um pequeno órgão federal destinado a promover os interesses americanos no exterior –, um funcionário do Escritório de Programas do Setor Privado escreveu a Fisher em resposta a um pedido de financiamento federal. O funcionário diz não poder dar dinheiro “diretamente a organizações estrangeiras”, mas que seria possível copatrocinar “conferências ou intercâmbios com organizações” de grupos como a Atlas, e sugere que Fisher envie um projeto. A carta, enviada um ano depois da fundação da Atlas, foi o primeiro indício de que a rede viria a ser uma parceira secreta da política externa norte-americana.
Memorandos e outros documentos de Fisher mostram que, em 1986, a Atlas já havia ajudado a organizar encontros com executivos para tentar direcionar fundos americanos para sua rede de think tanks. Em uma ocasião, um funcionário da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), o principal braço de financiamento internacional do governo dos EUA, recomendou que o diretor da filial da Coca-Cola no Panamá colaborasse com a Atlas para a criação de um _think tank_nos moldes do IEA no país. A Atlas também recebeu fundos da Fundação Nacional para a Democracia (NED), uma organização sem fins lucrativos fundada em 1983 e patrocinada em grande parte pelo Departamento de Estado e a USAID cujo objetivo é fomentar a criação de instituições favoráveis aos EUA nos países em desenvolvimento.
Alejandro Chafuen, da Atlas Economic Research Foundation, atrás à direita, cumprimenta Rafael Alonzo, do Centro de Divulgação do Conhecimento Econômico para a Liberdade (CEDICE Libertad), à esquerda, enquanto o escritor peruano Mario Vargas Llosa aplaude a abertura do Fórum Liberdade e Democracia, em Caracas, no dia 28 de maio de 2009.
Foto: Ariana Cubillos/AP
_ _Financiada generosamente por empresas e pelo governo americano, a Atlas deu outro golpe de sorte em 1985 com a chegada de Alejandro Chafuen. Linda Whetstone, filha de Fisher, conta um episódio ocorrido naquele ano, quando um jovem Chafuen, que ainda vivia em Oakland, teria aparecido no escritório da Atlas em San Francisco “disposto a trabalhar de graça”. Nascido em Buenos Aires, Chafuen vinha do que ele chamava “uma família anti-Peronista”. Embora tenha crescido em uma época de grande agitação na Argentina, Chafuen vivia uma vida relativamente privilegiada, tendo passado a adolescência jogando tênis e sonhando em se tornar atleta profissional.
Ele atribui suas escolhas ideológicas a seu apetite por textos libertários, de Ayn Rand a livretos publicados pela FEE, a organização de Leonard Read que havia inspirado Antony Fisher. Depois de estudar no Grove City College, uma escola de artes profundamente conservadora e cristã no estado americano da Pensilvânia, onde foi presidente do clube de estudantes libertários, Chafuen voltou ao país de nascença. Os militares haviam tomado o poder, alegando estar reagindo a uma suposta ameaça comunista. Milhares de estudantes e ativistas seriam torturados e mortos durante a repressão à oposição de esquerda no período que se seguiu ao golpe de Estado.
Chafuen recorda essa época de maneira mais positiva do que negativa. Ele viria a escrever que os militares haviam sido obrigados a agir para evitar que os comunistas “tomassem o poder no país”. Durante sua carreira como professor, Chafuen diz ter conhecido “totalitários de todo tipo” no mundo acadêmico. Segundo ele, depois do golpe militar seus professores “abrandaram-se”, apesar das diferenças ideológicas entre eles.
Em outros países latino-americanos, o libertarianismo também encontrara uma audiência receptiva nos governos militares. No Chile, depois da derrubada do governo democraticamente eleito de Salvador Allende, os economistas da Sociedade Mont Pèlerin acorreram ao país para preparar profundas reformas liberais, como a privatização de indústrias e da Previdência. Em toda a região, sob a proteção de líderes militares levados ao poder pela força, as políticas econômicas libertárias começaram a se enraizar.
Já o zelo ideológico de Chafuen começou a se manifestar em 1979, quando ele publicou um ensaio para a FEE intitulado “War Without End” (Guerra Sem Fim). Nele, Chafuen descreve horrores do terrorismo de esquerda “como a família Manson, ou, de forma organizada, os guerrilheiros do Oriente Médio, África e América do Sul”. Haveria uma necessidade, segundo ele, de uma reação das “forças da liberdade individual e da propriedade privada”.
Seu entusiasmo atraiu a atenção de muita gente. Em 1980, aos 26 anos, Chafuen foi convidado a se tornar o membro mais jovem da Sociedade Mont Pèlerin. Ele foi até Stanford, tendo a oportunidade de conhecer Read, Hayek e outros expoentes libertários. Cinco anos depois, Chafuen havia se casado com uma americana e estava morando em Oakland. E começou a fazer contato com membros da Mont Pèlerin na área da Baía de San Francisco – como Fisher.
Em toda a região, sob a proteção de líderes militares levados ao poder pela força, as políticas econômicas libertárias começaram a se enraizar.De acordo com as atas das reuniões do conselho da Atlas, Fisher disse aos colegas que havia feito um pagamento _ex gratia_no valor de US$ 500 para Chafuen no Natal de 1985, declarando que gostaria de contratar o economista para trabalhar em tempo integral no desenvolvimento dos _think tanks_da rede na América Latina. No ano seguinte, Chafuen organizou a primeira cúpula de _think tanks_latino-americanos, na Jamaica.
Chafuen compreendera o modelo da Atlas e trabalhava incansavelmente para expandir a rede, ajudando a criar _think tanks_na África e na Europa, embora seu foco continuasse sendo a América Latina. Em uma palestra sobre como atrair financiadores, Chafuen afirmou que os doadores não podiam financiar publicamente pesquisas, sob o risco de perda de credibilidade. “A Pfizer não patrocinaria uma pesquisa sobre questões de saúde, e a Exxon não financiaria uma enquete sobre questões ambientais”, observou. Mas os _think tanks_libertários – como os da Atlas Network –não só poderiam apresentar as mesmas pesquisas sob um manto de credibilidade como também poderiam atrair uma cobertura maior da mídia.
“Os jornalistas gostam muito de tudo o que é novo e fácil de noticiar”, disse Chafuen. Segundo ele, a imprensa não tem interesse em citar o pensamento dos filósofos libertários, mas pesquisas produzidas por um _think tank_são mais facilmente reproduzidas. “E os financiadores veem isso”, acrescenta.
Em 1991, três anos depois da morte de Fisher, Chafuen assumiu a direção da Atlas – e pôs-se a falar sobre o trabalho da Atlas para potenciais doadores. E logo começou a conquistar novos financiadores. A Philip Morris deu repetidas contribuições à Atlas, inclusive uma doação de US$ 50 mil em 1994, revelada anos depois. Documentos mostram que a gigante do tabaco considerava a Atlas uma aliada em disputas jurídicas internacionais.
Mas alguns jornalistas chilenos descobriram que _think tanks_patrocinados pela Atlas haviam feito pressão por trás dos panos contra a legislação antitabagista sem revelar que estavam sendo financiadas por empresas de tabaco – uma estratégia praticada por _think tanks_em todo o mundo.
Grandes corporações como ExxonMobil e MasterCard já financiaram a Atlas. Mas o grupo também atrai grandes figuras do libertarianismo, como as fundações do investidor John Templeton e dos irmãos bilionários Charles e David Koch, que cobriam a Atlas e seus parceiros de generosas e frequentes doações. A habilidade de Chafuen para levantar fundos resultou em um aumento do número de prósperas fundações conservadoras. Ele é membro-fundador do Donors Trust, um discreto fundo orientado ao financiamento de organizações sem fins lucrativos que já transferiu mais de US$ 400 milhões a entidades libertárias, incluindo membros da Atlas Network. Chafuen também é membro do conselho diretor da Chase Foundation of Virginia, outra entidade financiadora da Atlas, fundada por um membro da Sociedade Mont Pèlerin.
Outra grande fonte de dinheiro é o governo americano. A princípio, a Fundação Nacional para a Democracia encontrou dificuldades para criar entidades favoráveis aos interesses americanos no exterior. Gerardo Bongiovanni, presidente da Fundación Libertad, um _think tank_da Atlas em Rosario, na Argentina, afirmou durante uma palestra de Chafuen que a injeção de capital do Center for International Private Enterprise – parceiro do NED no ramo de subvenções – fora de apenas US$ 1 milhão entre 1985 e 1987. Os _think tanks_que receberam esse capital inicial logo fecharam as portas, alegando falta de treinamento em gestão, segundo Bongiovanni.
No entanto, a Atlas acabou conseguindo canalizar os fundos que vinham do NED e do CIPE, transformando o dinheiro do contribuinte americano em uma importante fonte de financiamento para uma rede cada vez maior. Os recursos ajudavam a manter _think tanks_na Europa do Leste, após a queda da União Soviética, e, mais tarde, para promover os interesses dos EUA no Oriente Médio. Entre os beneficiados com dinheiro do CIPE está a CEDICE Libertad, a entidade a que líder opositora venezuelana María Corina Machado fez questão de agradecer.
O assessor da Casa Branca Sebastian Gorka participa de uma entrevista do lado de fora da Ala Oeste da Casa Branca em 9 de junho de 2017 – Washington, EUA.
Foto: Chip Somodevilla/Getty Images
_ _No Brick Hotel, em Buenos Aires, Chafuen reflete sobre as três últimas décadas. “Fisher ficaria satisfeito; ele não acreditaria em quanto nossa rede cresceu”, afirma, observando que talvez o fundador da Atlas ficasse surpreso com o atual grau de envolvimento político do grupo.
Chafuen se animou com a eleição de Donald Trump para a presidência dos EUA. Ele é só elogios para a equipe do presidente. O que não é nenhuma surpresa, pois o governo Trump está cheio de amigos e membros de grupos ligados à Atlas. Sebastian Gorka, o islamofóbico assessor de contraterrorismo de Trump, dirigiu um _think tank_patrocinado pela Atlas na Hungria. O vice-presidente Mike Pence compareceu a um encontro da Atlas e teceu elogios ao grupo. A secretária de Educação Betsy DeVos trabalhou com Chafuen no Acton Institute, um _think tank_de Michigan que usa argumentos religiosos a favor das políticas libertárias – e que agora tem uma entidade subsidiária no Brasil, o Centro Interdisciplinar de Ética e Economia Personalista. Mas talvez a figura mais admirada por Chafuen no governo dos EUA seja Judy Shelton, uma economista e velha companheira da Atlas Network. Depois da vitória de Trump, Shelton foi nomeada presidente da NED. Ela havia sido assessora de Trump durante a campanha e o período de transição. Chafuen fica radiante ao falar sobre o assunto: “E agora tem gente da Atlas na presidência da Fundação Nacional para a Democracia (NED)”, comemora.
Antes de encerrar a entrevista, Chafuen sugere que ainda vem mais por aí: mais think tanks, mais tentativas de derrubar governos de esquerda, e mais pessoas ligadas à Atlas nos cargos mais altos de governos ao redor do mundo. “É um trabalho contínuo”, diz.
Mais tarde, Chafuen compareceu ao jantar de gala do Latin America Liberty Forum. Ao lado de um painel de especialistas da Atlas, ele discutiu a necessidade de reforçar os movimentos de oposição libertária no Equador e na Venezuela.
Danielle Mackey contribuiu na pesquisa para essa matéria. Tradução: Bernardo Tonasse
The post Esfera de influência: como os libertários americanos estão reinventando a política latino-americana appeared first on The Intercept.
submitted by feedreddit to arableaks